Rua do Comércio

Praça do Pelourinho Velho e parte da Rua Nova dos Mercadores. Pormenor da pintura flamenga. Óleo s/ madeira. Anónimo, c. de 1582 (?). Museu Coleção Berardo


A VENDA DE ESCRAVOS (SÉC. XVI - XVII)


Na parte oriental da Rua Nova dos Mercadores (coincidente com a atual Rua do Comércio) ficava o terreiro do Pelourinho Velho, uma das praças mais concorridas de Lisboa, junto ao Terreiro do Paço e por isso local privilegiado para a venda de escravos. Outro local onde em 1502 ainda se faziam leilões era a Praça de Escravos do Largo de S. João da Praça, em Alfama. Paralelamente apregoavam-se e vendiam-se, também, pelas ruas e entre particulares.

Praça do Pelourinho Velho e parte da Rua Nova dos Mercadores, pormenor de uma pintura holandesa talvez de cerca%.JPG

Praça do Pelourinho Velho e parte da Rua Nova dos Mercadores. Pintura flamenga de c. de 1582 (?). Society Antiquaries, Kelmscott Manor, Oxfordshire

Em 1552, existiam em Lisboa doze corretores e sessenta mercadores de escravos, e em 1672 apenas três corretores ainda exerciam o ofício, desconhecendo-se o número de mercadores.










Quando compradores e vendedores chegam a acordo, os donos mandam-nos cobrir, com um pano ou toalha, à volta da cintura e levam-nos para casa.

Lisboa em 1514, Jan Taccoen van Zillebeke