Chafariz Del-Rei

Chafariz d`el Rei, pormenor da pintura flamenga. Óleo s/ madeira. Anónimo, c. de 1582 (?). Coleção Berardo, CCB


TRABALHO E CONVIVÊNCIA (SÉC. XVI - 1575, 1592)


O abastecimento quotidiano de água às habitações de Lisboa era feito a partir dos numerosos poços e chafarizes dispersos pela cidade e era uma tarefa rotineira para muitos dos escravos que nela viviam.

O mais concorrido, o Chafariz Del-Rei era frequentemente palco de distúrbios, o que deu origem a inúmeras leis municipais que visavam regulamentar o acesso à água. A de 1592 reservava três bicas para homens brancos e três bicas para os homens pretos, distinguindo-se com a colocação de cruzes pintadas na respetiva cor.









Dava-lhe muito gosto ver na ribeira do rio tanta chusma de gente, tanto concurso de pícaros, vadios, negros, negras nuas com umas fraldinhas e mil andrajos, carregadas com talhas de água em que caberão uns quatro cântaros, a qual se toma de umas fontes (chafarizes) que ali há; com grande regra e concerto. Todavia há desta gentalha três ou quatro mil almas, porque Lisboa é mãe de negros.

Peregrino em Portugal, Bartholmé de Villalaba y Estanã, c. 1575.